Cerca de 70% das mulheres já enfrentaram barreiras no trabalho por questões de gênero

Levantamento da Amcham Brasil ouviu 770 executivas de diferentes setores e empresas em todo o País (Foto: Divulgação)

A Câmara Americana de Comércio no Brasil escutou 770 executivas em uma pesquisa sobre equidade de gênero no mundo empresarial. 69% das mulheres afirmaram já ter enfrentado barreiras na profissão pelo fato de ser mulher.

Entre as barreiras citadas estão interrupção de fala durante reuniões (31%), assédio moral (19%), falta de reconhecimento de projetos ou iniciativas de sua autoria (17%), pressão estética (13%), tratamento diferenciado entre candidatos e candidatas na hora da entrevista (12%) e tratamento diferente após licença-maternidade (9%).

Em evento do Comitê Estratégico de Assessoras Executivas, promovido pela Amcham Curitiba, a conselheira Margaret Groff endossou o assunto, ressaltando a importância em buscar a igualdade. “Diversidade traz qualidade. Todos precisam entender que juntos somos melhor”.

Diferença de tratamento
Quando questionadas sobre diferença de tratamento entre homens e mulheres na empresa, 40% afirmaram não ser tratadas de maneira igualitária. Os momentos de mais evidência são: promoção e escolha para cargos de liderança (68%), contratação (16%) e capacitação (16%).

Políticas prioritárias
Na avaliação de 30% das executivas, para ter mais equidade de gênero nas organizações, a política prioritária deve ser a igualdade entre as licenças de paternidade e maternidade. Em seguida, para 29%, a equiparação salarial poderia ser uma alternativa para reduzir a discriminação. Ainda são citados treinamentos de carreira e formação de liderança voltada para mulheres (17%), foco em eventos de diversidade e campanhas internas (17%) e montar um grupo de trabalho focado em gênero para discutir e entender as necessidades das mulheres da organização (6%).

Políticas públicas
A pesquisa questionou as participantes sobre “onde você não vê um foco do governo e acha que a empresa deveria investir de maneira redobrada? ”. Para 36% das mulheres entrevistadas é necessário mais representatividade feminina, principalmente em cargos de liderança. Em seguida aparecem respostas como combate à violência contra a mulher (24%), debate sobre desigualdades (21%) e inclusão de mulheres trans e/ou negras (19%).

Leia também:
As aventuras do gato Belisco estão na Livraria Cultura
Dez dicas para economizar energia elétrica em casa

No Comments Yet

Comments are closed

SIGA-NOS NO

[icon type=”fa-facebook” size=”icon-3x” url=”https://www.facebook.com/claudiacozzella” box=”true”] [icon type=”fa-twitter” size=”icon-3x” url=”https://twitter.com/claucozzella/” box=”true”] [icon type=”fa-instagram” size=”icon-3x” url=”https://www.instagram.com/portalacontececuritiba” box=”true”] [icon type=”fa-youtube” size=”icon-3x” url=”https://www.youtube.com/user/Tokdearte” box=”true”]

logo-beauty-tech